Categorias: G1

No aniversário de Juiz de Fora, jovens falam sobre expectativas de futuro na cidade

E, na última reportagem em comemoração aos 170 anos do município, o G1 mostra histórias de pessoas que vão ajudar a construir uma nova realidade para o município. Jovens juiz-foranos falam sobre futuro na cidade Mariana de Oliveira Alves/Arquivo ...


E, na última reportagem em comemoração aos 170 anos do município, o G1 mostra histórias de pessoas que vão ajudar a construir uma nova realidade para o município. Jovens juiz-foranos falam sobre futuro na cidade Mariana de Oliveira Alves/Arquivo pessoal Neste domingo (31), é celebrado o aniversário da cidade de Juiz de Fora. Repleta de universidades, o município é considerado ponto de referência quando o assunto é investir no futuro, o que torna extensa a população jovem. Em comemoração aos 170 anos do município, o G1 conversou com alguns jovens juiz-foranos, a fim de entender a cidade de acordo com o ponto de vista dos mesmos, bem como suas expectativas de futuro. Thainá do Nascimento Mitterhofer tem 21 anos e estuda Educação Física na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Atualmente no quinto período do curso, a estudante espera conseguir estabelecer uma carreira na cidade. "Eu sonho em arrumar um emprego no qual eu me sinta realizada aqui", conta a jovem. "Sonho em poder ter minha casinha própria, em um bairro tranquilo, e que meus futuros filhos possam viver e se divertir nessa cidade, que sempre foi o meu lar". Thainá e sua famílias sempre moraram em Juiz de Fora, e carregam grande carinho pela cidade. Thainá do Nascimento Mitterhofer/Arquivo pessoal Thainá conta que o carinho pela cidade vem de berço: Juiz de Fora é a cidade natal do pai dela. A mãe, apesar de ter família aqui, nasceu em Petrópolis. No entanto, também escolheu Juiz de Fora para formar sua família. "Minhas raízes estão aqui e sou feliz por isso", afirma Thainá. Esse também é o caso de Iara Massari, de 22 anos. A jovem nasceu e cresceu em Juiz de Fora, e contou ao G1 que o principal motivo desse amor são as pessoas. "Permaneço aqui, especialmente, pelas pessoas calorosas, pelos noites em bares em que todo mundo se conhece, pelas amizades que se formam e se tornam família", afirma a jovem. Já para Mariana de Oliveira Alves, de 24 anos, a situação é diferente. A jovem é natural do Estado do Rio de Janeiro, e morava em Barra do Piraí (RJ) antes de se mudar para Juiz de Fora em 2015, para cursar Direito na UFJF. Hoje formada e trabalhando como advogada cível e tributária, Mariana escolheu permanecer em Juiz de Fora e estabelecer uma carreira por aqui: "Gosto de morar, estudar e trabalhar aqui", afirma. Assim como Iara, Mariana cita as pessoas como um dos motivos principais para a decisão de ficar. "Definitivamente, as amizades que fiz aqui, as pessoas que conheci e os lugares dessa cidade me conquistaram", conta a advogada. Mariana deixou a família em Barra do Piraí, mas conta que seu irmão mais novo também se mudou para Juiz de Fora, recentemente. "Ele veio morar comigo, para cursar o ensino médio aqui", conta a advogada. Mariana deixou a família em Barra do Piraí (RJ) para construir uma vida em Juiz de Fora. Mariana de Oliveira Alves/Arquivo pessoal Setores da cidade Quando perguntada sobre o que ela gostaria que mudasse em Juiz de Fora, Iara cita o setor cultural como ponto negativo da cidade. "A cidade possui apenas dois grandes shoppings, então ficamos com poucas opções de cinema, por exemplo", explica a jovem. "Sobre a cultura, sinto falta da valorização de museus, exposições e oficinas criativas". Iara afirma, no entanto, que acha que Juiz de Fora se sai bem nos demais setores, como saúde, segurança e educação. "É uma cidade bem segura, no geral, um lugar que eu gostaria de criar meus filhos". Já Mariana sente falta de opção em casas noturnas, apesar de considerar a cidade rica em opções de lazer para todos os gostos, idades e estilos. A advogada também elogia todos os setores juiz-foranos, especialmente a educação da cidade. "Tendo feito o ensino superior inteiro na UFJF, tenho muita gratidão pela oportunidade de ter cursado uma universidade pública de qualidade", conta a jovem. Thainá afirma que espera um maior investimento em segurança nos pontos públicos da cidade e na saúde básica, mas se diz satisfeita com os demais setores. O futuro em Juiz de Fora Quanto a objetivos de carreira, Thainá tem confiança na cidade. "Acredito que Juiz de Fora tenha um bom mercado na minha área, há ótimas academias de musculação e escolas de grande prestígio", afirma a graduanda em Educação Física. Thainá cursa Educação Física na UFJF e espera se dar bem no mercado de trabalho Thainá do Nascimento Mitterhofer/Arquivo pessoal A jovem vai além. "Acredito que para quem corre atrás de conhecimento e prática, não se acomodando após a formatura, pode conseguir sim uma vaga na área que preferir". Mariana de Oliveira Alves, de 24 anos, é a prova disso. Formada em Direito a poucos meses, a jovem trabalha como advogada desde janeiro de 2020. Mas, o caminho não foi fácil. Segundo Mariana, o mercado de Direito em Juiz de Fora é desafiador, justamente pela grande quantidade de universidades. "As faculdades formam mais advogados do que o mercado consegue absorver. As oportunidades existem, mas não é tão fácil entrar no mercado de trabalho", explica. Mesmo assim, a jovem considera Juiz de Fora uma cidade boa de se trabalhar, e afirma querer se tornar conhecida no meio jurídico, buscando estabilidade e segurança na profissão. "Para a minha vida em Juiz de Fora, meu sonho seria construir uma carreira sólida e estável, que me permita vivenciar a advocacia e obter retorno com isso, não só econômico, mas, principalmente, pessoal", conta Mariana. Já Iara conta uma história diferente: a jovem cursava Publicidade e Propaganda, mas trancou a faculdade e, no momento, não está trabalhando. "Infelizmente, as oportunidades de trabalho aqui são escassas", explica. "Existe uma perspectiva de crescimento muito menor, se comparada a grandes cidades". Iara conta que já tentou morar em outros lugares, em busca de melhores oportunidades de emprego, "mas, de alguma forma sempre volto pra cá". "Juiz de Fora é meu lar", alega. "Espero encontrar um trabalho que eu ame, e isso já vai bastar".

G1

Leia Também:
Compartilhar

Deixe seu comentário

Postagens recentes

Disney parte para o ataque

7 minutos Atrás

Sem sustos com a inflação

7 minutos Atrás

A B3 dos consórcios

7 minutos Atrás

Whats Notícias, usa os cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento.