Categorias: Geral

O que esperar do esporte de alto rendimento após a pandemia?

A pandemia do novo coronavírus (covid-19) obrigou a humanidade a parar. A parar, repensar e mudar vários aspectos da vida. Diante de um vírus que se espalha com muita facilidade, um novo normal começa a se estabeler a partir de alguns princípios: restrições de movimentação, menor interação social e cuidados extremos de higiene. No mundo […] O post O que esperar do esporte de alto rendimento após a pandemia? apareceu primeiro em ISTOÉ Independente.

A pandemia do novo coronavírus (covid-19) obrigou a humanidade a parar. A parar, repensar e mudar vários aspectos da vida. Diante de um vírus que se espalha com muita facilidade, um novo normal começa a se estabeler a partir de alguns princípios: restrições de movimentação, menor interação social e cuidados extremos de higiene. No mundo do esporte de alto rendimento não é diferente. Grandes eventos, como os Jogos Olímpicos, a Copa América, a Eurocopa e campeonatos nacionais de futebol, tiveram de ser adiados ou cancelados enquanto se pensa em formas de realizá-los com segurança.

E é para tentar imaginar as mudanças que a prática esportiva de alto rendimento sofrerá em um futuro próximo que a Agência Brasil conversou com dois pesquisadores que tem o universo do esporte como seu objeto de estudo, o sociólogo e professor da Faculdade de Comunicação Social da Universidade do Rio de Janeiro (Uerj) Ronaldo Helal e o professor da Escola de Ciências Sociais/FGV-CPDOC Bernardo Buarque de Hollanda.

Jogos sem a presença de torcedores

Um dos elementos que mais chama a atenção no novo normal do esporte de alto rendimento é a ausência de torcedores em praças esportivas. Segundo Ronaldo, diante de um vírus novo e com contágio muito rápido, não dá para ser diferente. No Campeonato Alemão, por exemplo, esta mudança fica bem evidente: “Com jogos com portões fechados e os jogadores sem se abraçarem na comemoração dos gols. E também fazendo testes regulares. Esta é a mudança que é possível no momento”.

Campeonato Alemão fez várias adaptações para recomeçar no período de pandemia – Reuters/Direitos Reservados

Bernardo também aponta o Alemão como o campeonato a ser observado, pois é a primeira das principais competições nacionais do Velho Continente a reiniciar após a pandemia, mas afirma que a realização das partidas sem a presença de torcidas não vai servir para todos os clubes, mas apenas para aqueles que estão na “vitrine do futebol mundial […], tendo exibição e alcance planetário”. No entendimento do pesquisador, estes conseguem, minimamente, “contornar o atual momento” com as receitas provenientes de transmissões televisivas.

Ronaldo diz que a primeira mudança causada pela ausência de torcedores nos estádios é percebida na performance dos atletas: “Você perde muito. Um espetáculo de massa, sem a massa. Mesmo transmitido pela televisão. É o mesmo que um teatro vazio. A tendência dos atores é não ter uma performance tão motivada por adrenalina como tem com a presença do público. Isso pode acontecer também no caso do futebol, sem o incentivo da torcida. Mas é o que se pode fazer no momento. Não sabemos quanto tempo vai durar. Acho que o público não vai se sentir nem satisfeito, nem insatisfeito, mas acho que vai entender que isso é o que é possível fazer no momento”.

Uso de máscaras e arquibancadas vazias estão no novo normal do Campeonato Alemão – Reuters/Direitos Reservados

Porém, em suas observações Bernardo identifica grupos que não receberam bem esta nova forma de consumir o futebol: “É interessante que, no caso da Europa, algumas torcidas organizadas estão promovendo campanhas contra a volta dos campeonatos. Partem da ideia de que, se não vai ter torcida, é melhor não ter futebol”.

Em meio a tantas incertezas, e pensando na realidade brasileira, o pesquisador da FGV afirma que “é muito pouco provável que aconteça algum campeonato com a presença do público no Brasil em 2020”.

Disputa e torcida à distância

Para o esporte brasileiro, que ainda está pensando em formas de retorno aos treinos, imaginar formas alternativas de torcer ainda parece algo distante. Mas na Dinamarca esta já é uma realidade. O campeonato nacional do país europeu optou por “levar” a torcida ao estádio através de telões instalados nas arquibancadas nos quais os jogadores veem imagens dos torcedores transmitidas por aplicativos de teleconferência (veja no vídeo abaixo).

Leia Também:

Para Bernardo, em um contexto de agravamento da pandemia, as novas tecnologias não devem se restringir ao ato de torcer, mas também podem ser usadas para permitir que atletas que estejam em locais diferentes possam competir entre si: “Estamos em um ponto de inflexão em que paradigmas são repensados […]. Até que ponto podem ser criadas formas de cobrir performances esportivas nas quais as pessoas não estejam presentes? Isto pode ser especulado. Os atletas não estarão no mesmo locus presencialmente, mas você pode criar formas de competição filmada. Soa absurdo e especulativo hoje, mas de fato ainda estamos em um momento nebuloso no qual não conseguimos discernir o que acontecerá adiante”.

Jogos para celebrar a humanidade

Um dos paradigmas que pode vir a ser questionado caso a pandemia perdure por um período de tempo muito longo é o da realização de grandes eventos esportivos no atual formato. “O formato tradicional de um encontro a cada quatro anos, que reúne todos [os atletas] no mesmo local, com vila olímpica, pode ter de ser refeito […]. Entendo que, assim como todas as áreas estão se adaptando, pode ser que muitas coisas no âmbito do esporte que sejam consideradas imprescindíveis, das quais não se abre mão, sejam reinventadas”, diz o pesquisador da FGV.

Presidente do COI espera Jogos que celebrem a humanidade em 2021 – REUTERS / Denis Balibouse / Direitos Reservados

Mas algo que os dois pesquisadores afirmam torcer para não mudar, quando se fala em grandes eventos esportivos, é que eles continuem a ser entendidos como momentos de celebração da humanidade. “Entendo também [assim como o presidente do Comitê Olímpico Internacional, o alemão Thomas Bach] a ideia dos Jogos como uma celebração da humanidade após a pandemia. Tomara que sejam vistos desta maneira mesmo. Porque há uma metáfora nos Jogos Olímpicos de uma união entre nações. O esporte proporciona um pouco isso. De as regras serem as mesmas para todos, que o melhor vence pelos seus méritos. Se superarmos esta pandemia, se já tivermos uma vacina, e espero que sim, espero que seja uma grande celebração da humanidade [os Jogos de Tóquio], da vida após a pandemia, de união entre as nações e povos”, conclui Ronaldo.

O post O que esperar do esporte de alto rendimento após a pandemia? apareceu primeiro em ISTOÉ Independente.

[original-link-rel='nofollow']Notícia da fonte[/original-link-rel='nofollow']

Compartilhar

Deixe seu comentário

Postagens recentes

Homem é preso com droga no reduto do tráfico na Compensa

Na noite do último sábado (19), a polícia prendeu um homem com drogas na rua…

3 minutos Atrás

PF faz mega operação contra garimpos ilegais no interior do Amazonas

A Polícia Federal deflagrou o início das ações da Operação Minamata*, com objetivo de reprimir…

10 minutos Atrás

Fim de festa! Polícia manda 7 mil pessoas para casa em eventos clandestinos

As pessoas continuam desrespeitando as medidas de proteção contra o coronavírus e vão a festas…

18 minutos Atrás

Quase um milhão de madrilenos enfrentam novas restrições pelo coronavírus

Quase um milhão de habitantes da região de Madri devem “ficar em casa o maior…

20 minutos Atrás

Acordo para TikTok nos EUA seria capaz de desbancar Facebook

O surgimento de um acordo para fazer do aplicativo chinês TikTok uma empresa baseada nos…

20 minutos Atrás

Cuca evita comentar de nova punição da Fifa: Cuido dos meninos e só’

Técnico evitou falar sobre a segunda punição sofrida pelo Peixe na Fifa, que proíbe o…

21 minutos Atrás

Correção: Governo alemão autoriza 20 mil pessoas no GP de Eifel da Fórmula 1

A nota enviada anteriormente contém um erro no primeiro parágrafo. O GP da Toscana recebeu…

21 minutos Atrás

Luis Suárez e Atlético de Madrid chegam a acordo por dois anos

Apesar de clube e jogador terem negociado as bases do contrato, atacante uruguaio ainda está…

22 minutos Atrás

Sistema Itália promove videoconferência com BNDES

SÃO PAULO, 21 SET (ANSA) – A Embaixada da Itália em Brasília e o Banco…

22 minutos Atrás

Botafogo conversa com Olympique sobre venda de Luís Henrique

Atacante de 18 anos pode estar a caminho da França; negociação tem potencial para se…

23 minutos Atrás

Vídeo: PM agride mulher em abordagem em Macapá; policial foi afastado

Uma mulher foi agredida durante uma abordagem policial, em Macapá, na sexta-feira (18). O vídeo…

24 minutos Atrás

Chanceleres da UE escutam líder opositora bielorrussa antes de discutir sanções

Os ministros das relações Exteriores da União Europeia (UE) tiveram uma reunião informal nesta segunda-feira…

24 minutos Atrás

Sem vazar nos últimos jogos, defesa do Santos é arma para boa atuação no Equador

Pontuar diante do Delfín, no Equador, nesta quinta-feira significa ao Santos encaminhar a classificação às…

28 minutos Atrás

Usuários acusam Twitter de racismo após algoritmo de fotos priorizar brancos a negros

O algoritmo de preview de imagens virou alvo de testes dos usuários, que acusam o…

30 minutos Atrás

Bruna Lombardi posta foto rara com filho nas redes sociais

Bruna Lombardi usou as redes sociais nesse domingo (20) para compartilhar um clique raro em…

31 minutos Atrás

Schitt’s Creek, Watchmen e Succession são destaques do Emmy 2020

NOVA YORK, 21 SET (ANSA) – As séries “Schitt’s Creek, “Watchmen” e “Succession” foram as…

34 minutos Atrás

Casal morre após fio de alta tensão cair em residência no ramal do Pau Rosa

Maria Lessa Laranjeira de Azevedo, de 36 anos, e Francisco Wilson Rodrigues de Azevedo, de…

35 minutos Atrás

'Schitt's Creek', 'Watchmen' e 'Succession' são destaques do Emmy 2020

As séries "Schitt's Creek, "Watchmen" e "Succession" foram as grandes vencedoras do Emmy 2020, ...

35 minutos Atrás

'Incerteza fiscal trava a volta do investimento'

O ambiente de incerteza que ronda as empresas, especialmente em relação a como será solucionado…

37 minutos Atrás

Frutas: Brasil é primeiro país a exportação melão para China

São Paulo, 21 - A primeira importação de melões brasileiros pela China chegou ao Aeroporto…

37 minutos Atrás

Whats Notícias, usa os cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento.